Buscar
  • Cecília Andalaft

Inteligência artificial

“O desenvolvimento da Inteligência Artificial pode levar ao fim da raça humana.” 

Stephen Hawking (astrofísico)

A Inteligência artificial (I.A.) já existe, quer a gente queira ou não.

A I.A. tem potencial para solucionar os problemas mais complexos da atualidade e do futuro e para impactar o mundo. A ciência da computação trabalha para produzir um dispositivo computacional capaz de receber dados externos, interpretá-los, aprender a partir desses dados e usá-los para atingir um objetivo específico, mostrando capacidade de adaptação, de raciocínio e criatividade.

O desenvolvimento da área começou logo após a Segunda Guerra Mundial mas apenas recentemente, com o surgimento do computador moderno, é que a inteligência artificial ganhou meios e massa crítica para se estabelecer como ciência integral, com problemáticas e metodologias próprias. Desde então, seu desenvolvimento tem extrapolado os clássicos programas de xadrez e envolvido a ideia de reproduzir faculdades humanas como criatividade, auto-aperfeiçoamento e uso da linguagem.

Para o bem e para o mal

Carros autônomos; pesquisas no espaço; assistentes de voz de celulares como Siri e Google Now; reconhecimento facial; extração de minério em ambientes insalubres; processos médicos como detecção de doenças, avaliações, simuladores de cirurgia e monitoramentos; exploração do oceano; assistência a indivíduos com necessidades especiais; auxílio na aprendizagem através do uso de aplicativos, telas interativas e demais dispositivos; está presente também nos processos das organizações agilizando as atividades, minimizando os erros e garantindo eficácia às empresas; e mais uma infinidade de aplicações. Não há dúvidas de que pode melhorar muito nossa vida.

Por outro lado, a substituição de seres humanos por máquinas pode levar ao desemprego em larga escala. Sistemas não só inteligentes, mas capazes de se autoaprimorar poderiam se reprogramar para elevar sua própria capacidade. Mais poderoso, poderia fazer isso de novo, e de novo. Desenvolveria, assim, capacidades de observação, aprendizado e planejamento muito superiores à humana. Essa superinteligência pode tornar-se imprevisível e este é o principal risco para o futuro da humanidade. Podemos nos tornar obsoletos. Sem alcançar sua inteligência ou compreender seu novo potencial, as máquinas poderiam causar destruição física e caos social ao controlar bancos de dados, mercados financeiros, infraestrutura, redes de distribuição e sistemas de armamentos. Como pode ser notado, a Inteligência Artificial é um tema complexo e bastante controverso. São diversos os pontos a favor e contra e cada lado tem razão em suas afirmações. Cabe a nós esperar que, independente dos rumos que os estudos sobre I.A. tomem, eles sejam guiados pela ética e pelo bom senso.

19 visualizações

3711-9999

R. Eduardo Carlos Pereira, 302 - 04276-030 - Ipiranga - São Paulo - SP