Buscar
  • Cecília Andalaft

O impacto da Covid-19 na economia brasileira

A pandemia do novo coronavírus causou um enorme choque no crescimento econômico mundial. Os governos, com receio da contaminação em massa, estão adotando medidas de prevenção, entre elas o isolamento social.

O governo brasileiro adotou a quarentena horizontal, ou seja, uma imposição de restrições à sociedade de forma indiscriminada, com fechamento do comércio e restaurantes e restrição de atividades independentemente da faixa etária e de nível de risco.

Para alguns especialistas a quarentena horizontal inicial deve ser adotada por um período mínimo de duas semanas. Se após esse período houver controle do crescimento dos casos pode-se pensar numa redução gradual das medidas restritivas e adotar a quarentena vertical, ou seja, apenas o grupo de risco da Covid-19, os idosos e os imunossuprimidos permanecerão isolados. Calcula-se um período de dois a cinco meses para que a circulação de pessoas seja normalizada, entretanto quanto maior esse prazo maior o efeito negativo no país.

Infelizmente essas medidas irão frear a retomada da economia e aumentar o já elevado número de desempregados no Brasil.

O impacto imediato já pode ser percebido e a situação econômica deve agravar-se ainda mais. Praticamente todos os setores estão sendo afetados, com exceção das categorias de higiene, limpeza e produtos alimentícios.  mas a previsão é que haja crise no abastecimento dessas mercadorias.

Os principais setores afetados são turismo, aviação, commodities, têxtil, calçados, automóvel, construção civil, agronegócio, serviços educacionais, logística, transporte, tecnologia, restaurantes e bares, e além destes vários outros segmentos serão afetados. Espera-se uma crise no abastecimento de produtos essenciais como vem ocorrendo em outros países.

O próprio ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta estuda a proposta de isolamento vertical proposta pelo presidente. A crise na saúde gerará uma crise ainda maior, a econômica.

“A saúde só pode funcionar quando gera riquezas.”
0 visualização

3711-9999

R. Eduardo Carlos Pereira, 302 - 04276-030 - Ipiranga - São Paulo - SP